sábado, 22 de novembro de 2014

Dignicats com probelmas de saúde

Na semana em que o Minduim foi resgatado, já estava programada uma ida à consulta médica para Silver e Bethoven, pois ambos apresentam problemas urinários.
Exames feitos, veio a bomba: Bethoven está com tantos cristais, que os mesmos podem vir a obstruir sua uretra e Silver, com um cálculo na bexiga, que precisará ser retirado por meio de cirurgia.
A prescrição do tratamento é super difícil, especialmente para alguém com o tempo tão tomado atualmente, como eu. Sinceramente, estou muito nervosa com essa situação e não sei como me sairei nesse novo desafio. Sem falar nas mega despesas extras que vieram e que estão por vir! Nervos à flor da pele, é o que temos...

Abaixo, os resultados dos exames. Ainda faltam a cultura e o antibiograma do Silver e do Bethoven, que ainda não chegaram e novos exames de sangue do Minduim e do Silver, que serão feitos no decorrer da semana e os remédios que serão prescritos para todos!!! Haja $$$ e coração forte!

 
  



 




Minduim

Silver


 Bethoven

Prestação de Contas - outubro/novembro 2014

Amigos que acompanham e ajudam nosso trabalho, normalmente, não coloco todos os meses os gastos referentes à manutenção dos Dignicats, apenas quando temos casos de tratamentos médicos, pois saem da nossa rotina, como está acontecendo este mês.


22/10 - Remédio para Silver e Bethoven - R$ 24,50

28/10 - Remédio para Silver e Bethoven - R$ 24,50

07/11 - Ração para gatos Chef Cat, 2 sacos de 25 kg - R$ 200,00 (normalmente gasto um saco por mês, pois misturo com a Matisse, mas quando dá, compro logo dois sacos, que dura 2 meses).

26/09 - Ração para gatos Matisse Castrados, Frango - 6 sacos de 7,5 kg cada - para pagamento no mês de novembro - R$ 359,22 (na nota consta Ecopet, mas é para um amigo, que compra junto comigo)

Obs: ração para cães ainda tenho de uma compra grande que fiz para minha antiga loja.

08/10 - Certifect - compro uma pipeta grande e subdivido para os 4 cães - para pagamento em 08/11 - R$ 78,70 (na mesma nota: Pedigree sachet: R$ 16,90)

13/11 - Areia higiênica para gatos - 10 fardos - a Soja Rações não me enviou a nota, infelizmente - R$ 179,00


12/11 - Consultas: Minduim, Silver e Bethoven - R$ 180,00 (pago em cartão de crédito para 08/12)

14/11 - Hemograma + Fiv e Felv para Minduim - R$ 250,00 (200,00 em dinheiro + 50,00 em cartão para 08/12)

18/11 - Ultrassonografia + exames de urina para Silver e Bethoven - R$ 300,00 (sendo 80,00 em cartão para 08/12)

21/11 - 10 kg de farinha de mandioca crua, para misturar na areia higiênica - R$ 25,80 (comprado junto com as compras do mês, de casa. Houve mais duas compras de farinha, no decorrer do mês, no valor de R$ 30,00, mas não guardei a nota).

***Dados até dia 22/11/14 - ainda precisamos fazer exames de sangue do Silver e outro do Minduim. Assim que tiver os valores, postarei aqui.

*** ATUALIZANDO ***
VALORES QUE FALTARAM SER LISTADOS: 



Exames de sangue: Silver, Bethoven e Minduim, 24/11 = R$  94,00

Taxipet – 25/11 – Sulacap x Botafogo = R$ 80,00
Taxipet – 26/11 – Botafogo x Sulacap = R$ 110,00

Cirurgia, internação, tapetes higiênicos: R$ 581,00 (divididos em 2x 290,50 – uma em cheque para dia 09/12 e outra em cartão de crédito)

Agemoxi CL 250mg 10 comp. + Gaviz 10mg = R$ 76,50 (pago em cartão de crédito)

Roupa cirúrgica = R$ 37,00 (pago à vista, em cartão de débito)

4 soros ringer simples, 2 equipos e 10 agulhas rosas = R$ 26,40
 




AJUDA SOLIDÁRIA DOS AMIGOS:

Depósito na conta poupança do Bradesco:
12/11 - R$ 100,00

Depósito na conta poupança do Itaú:
06/11 - R$ 120,00 (doação mensal da madrinha da Princesa Isabel)
13/11 - R$ 30,00
14/11 - R$ 70,00
17/11 - R$ 50,00

*Doação via PagSeguro, ainda no sistema, para resgate: R$ 15,00

NOTAS








sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Minduim, o gatinho da amendoeira gigante

No sábado, dia 08 de novembro de 2014, às três pouca da tarde, ouvi os cães latindo muito e olhei na câmera: havia um gatinho branco na rua, em frente ao meu portão.
Fiquei apavorada pensando de algum gato daqui de casa ter saído pela garagem quando o Fábio saiu com o carro... Fui abrir o portão pra ver e, antes de chegar até ele, vi um sialatinha subindo no pé de amêndoas! Tentei chamar para que ele parasse de subir, mas não teve jeito: ele foi subindo, subindo, subindo, cada vez mais assustado com o latido não apenas dos meus cães, mas dos cães da vizinha, que atacam e matam qualquer animal que cair lá! E minha agonia estava só começando...

Imediatamente postei o ocorrido no Facebook, na intenção de pedir ideias de como tirá-lo de lá. Sempre a primeira coisa que nos vem à mente, é chamar os Bombeiros (que raramente atendem esse tipo de chamado), mas, por desencargo de consciência tentei chamá-los. Perguntaram-me se o gato era meu e eu disse que não, que estava abandonado na rua, mas que eu ficaria com ele e quem me atendeu disse que gatos sempre descem sozinhos, blablablá, que se passasse de 48 horas era para eu chamá-los...




Muitas pessoas na Internet se solidarizaram, torceram, deram ideias, mas nada funcionava. Na segunda-feira, depois de fazer mil contatos, consegui uma amiga que tem uma outra amiga que é Bombeiro e que intercedeu por nós no quartel de Campinho (que não é da nossa área). Também me enviaram, pelo Facebook, o telefone do Tony, que é especializado em resgates difíceis. Não dava para eu ligar pro Tony, pois estava na hora de eu ir trabalhar e no trabalho evito resolver assuntos pessoais, pois estou em estágio probatório. 

A amiga Cássia fez contato com a Rede Record, contou a história e deu meus dados. Eles pediram que eu fizesse um vídeo, relatando o caso, para analisarem e "talvez" colocarem na programação. Fiz o vídeo, que foi postado também no Facebook e compartilhado por muitos amigos e amigos de amigos (muito obrigada!). Mas a Record até hoje não entrou em contato! :(


  video


Enviei uma mensagem-torpedo e um recado no FB ao Tony, que tem a agenda lotada e nem pode me responder. Muitos outros amigos o "perturbaram", pedindo que me ajudasse. Entretanto, já havia esse contato com os Bombeiros, através de amigos, em andamento (só assim mesmo que a gente consegue um atendimento para um caso não convencional). Cheguei do trabalho as 22 horas e poucos e os Bombeiros chegaram logo em seguida! Fiquei tão feliz! Entretanto, minha alegria tornou-se tormento, ao ver que o carro dos Bombeiros, com uma escada em cima, parecia um brinquedo, tamanha a altura da árvore!!! E foi aí que eles, na maior boa vontade, tiveram  uma infeliz ideia: jogar jato de água no gato para ele cair e ser amparado por um plástico (que peguei emprestado com o Rogério, meu vizinho). O pobre gato (que eu pensava ser gata) já havia pego uma chuvarada no sábado à noite e mais um pouco no domingo e ainda levou litros de água em seu corpinho para que caísse. Eu fiquei de costas, tamanha minha aflição. Muito provavelmente, se ele caísse, eles não o pegariam e ele morreria: se caísse no meu telhado, se espatifaria, se caísse na casa da vizinha, os cães dela o comeriam. Pessoas que passavam pela rua no momento, apoiavam e achavam bonito o que estava acontecendo, mas algumas reclamavam "como pobre na chuva", por acharem um absurdo ocupar os Bombeiros para salvar um gato... Um absurdo é a pobreza d'alma deles...




Os Bombeiros desistiram (graças a Deus), me pediram desculpas e se prepararam para ir embora. O Tenente que comandava a operação, me prometeu que no dia seguinte faria o possível para enviar uma equipe novamente para tentar resgatar o "meu" gato (sim, eu inventei uma história de que meu gatinho, recém resgatado havia se assustado quando abrimos a garagem e, com medo dos latidos dos cães, havia subido na árvore - pois só assim os BM se motivariam a tentar salvá-lo!).

Foram embora e a agonia continuou: o gatinho continuava em cima da árvore, com fome, sede, frio, medo... no dia seguinte, fui olhar onde ele estava e vi que ele havia subido mais uns 4 metros! Estava agora a mais de 20 metros do chão! Procurei o telefone do Tony que me haviam passado e liguei pra ele, que foi muito gentil e me fez "um encaixe" em sua agenda. Fui tentar descansar um pouco, pois estava sem dormir e sem comer direito desde sábado e acordei com o Tony me ligando, dizendo que estava no meu portão! Isso já era terça-feira: quase 72 horas que o gatinho estava em cima da árvore!

Tony abriu um pacotinho de ração sachet e soprou... o gatinho ficou doido!Mas tinha medo de descer. A corda do Tony tem 30 metros e ele precisava alcançar o galho da árvore para que a gatoeira fosse até lá. Fui comprar mais 30 metros de corda. Nisso, meu marido e sua mãe, haviam chegado do Hospital, pois ele operou um dos olhos e foi fazer revisão. Eles ficaram com a gente, torcendo e ajudando, e o gatinho, sem-vergonha, querendo tomar coragem pra descer. Quando cheguei, o Tony continuou soprando a ração e o gatinho desesperado. Comecei a chamá-lo e ele começou a descer (fiquei passada e engomada, pois o estava chamando toda hora, desde sábado, colocando ração no pé da árvore, e ele não vinha! rs)! Tony e eu brincamos, pois lembrei do "Cumpádi Washington": "desce, ordinária!" :P  E ele desceu, desceu, desceu, até chegar numa altura que tirei as primeiras fotos. Mas desse ponto em diante, ele tinha medo de descer e ficou lá, parado, "vem-não-vem".

Rogério e Fábio pegaram a escada da nossa amiga Neusa e colocaram na árvore. Rogério segurando a escada, Fábio (com uma vista tapada) subindo, eu "hipnotizando" o gato com a ração sachet, Tony com o puçá, bloqueando a possibilidade do gatinho subir novamente e Júlia, desesperada, falando pelos cotovelos "ai meu Deus, vai descer, vai cair, pega ele, cuidado Fábio..." hahahahahaha

E o Fábio o agarrou pela nuca! Tony elevou o puçá até o gatinho ficar dentro, eu segurei pra ele não correr e o safadinho foi salvo!!! \0/




O coloquei numa gaiolinha e fu trabalhar, pois estava na hora! No dia seguinte, o levei à consulta, com a Dra. Adriana, médica dos Dignicats. Ela receitou alguns remédios, pois ele está espirrando e soltando catarro amarelo. Um mundo de pulgas e, provavelmente muitos vermes habitavam nele (mas já foram todos pro "caixa-prego", rs).



Ele continua na gaiolinha, em tratamento. Mas quando o solto pra limpar a gaiolinha e colocar ração e água, ele vai na caixa de areia (quando não aguenta, faz na gaiola mesmo, rs). Apenas hoje (13/11 - quinta-feira, fez o primeiro cocozinho, de tanta fome que passou). Tudo normal: xixi, coco e uso da caixa de areia! :)

Hoje tive uma grande surpresa: ao ir pro trabalho, recebi uma ligação telefônica do Tenente que comandou a operação de resgate (frustrada) do Minduim, querendo saber notícias do caso!!! Nossa, como fiquei feliz!!! Contei sobre o Tony, sobre a ida do Minduim à consulta, que será tratado, castrado e doado, que ele pode vir visitá-lo quando quiser e recomendei que eles chamem o Tony quando forem chamados para casos como o meu. Ele pesquisou o perfil do Tony na Internet e eu ofereci os números do telefone dele. Assim que cheguei no trabalho, retornei a ligação e passei os números do Tony, para nenhum gatinho mais receba jato de água para cair da árvore :P (lógico que não falei isso, mas pensei! hahahahaha). Ele foi mega simpático e anotou os números :)

Amanhã o levarei novamente à Dra. Adriana, para fazer o exame de Fiv/Felv (sei lá, meu deu uma cisma, que normalmente não tenho - espero muito que dê tudo negativo! Torçam!). Ele também fará hemograma completo. O detalhe é que dois outros Dignicats estão com problemas e precisaram de consulta, remédios e exames: Silver e Bethovem precisam de ultrassonografia e cistocentese. Ou seja: será uma saída de dinheiro enorme, que não estava prevista! Por isso, peço a todos que amam a causa e tenham condições, que nos ajude com qualquer quantia, pois está mais do que provado: a união faz a força! Quem não pode resgatar, pode ajudar de alguma forma :) Há vários Dignicats aguardando adoção e, enquanto isso, temos que mantê-los com dignidade: ração boa, areia higiênica com farinha de mandioca, jornais, caminhas, consultas, remédios e exames, quando necessários etc. Quem puder ajudar, ficaremos mega agradecidos! :)

E a "gatinha da árvore" que, na verdade, é o "ex-gatinho da árvore", eu o batizei de Minduim, em homenagem ao Charlie Brown, dono do cãozinho Snoopy.

Minduim estará disponível para adoção assim que estiver bem de saúde e for castrado. 







terça-feira, 1 de abril de 2014

"Dignidog": a "divisão canina" dos Dignicats


Nem só de gatos vive o projeto Dignicats!

Volta e meia, aparece um cão ["e outros bichos"] em nosso caminho :)

Fox:
O primeiro "Dignidog". Abandonado às vésperas do carnaval de 2011, foi resgatado por mim no dia 04 de março. Em princípio, a ideia seria doá-lo, mas com o passar dos dias percebi que seria uma doação "problemática": Fox tem temperamento explosivo, ciumento, territorialista, às vezes agressivo. Mas tem uma "paixão avassaladora" por mim e pelo Fábio. Lembrei de um cãozinho que tive na infância [que sofreu muito], então, juntando tudo isso, resolvi ficar com ele. Não tem sido fácil, pois moro na casa paroquial e, nos fundos, temos uma casa alugada. É preciso muita paciência, perspicácia, estratégia para driblar o temperamento dele. Deve ter em torno de 5 anos de idade.


A maior parte do tempo ele fica solto, mas há horas em que é preciso prendê-lo 
(para não morder ninguém!)


Laila Camile:
Resgatada em 29 de dezembro de 2011, atropelada, caída no meio fio de uma estrada em Cachoeiras de Macacu. Fábio a encontrou e compadeceu-se. Levou-a na primeira clínica veterinária que encontrou e foi constatada fratura no fêmur. Levamos na Sozed, no dia seguinte e ela foi operada. Ficou com pino algum tempo. Depois da retirada, ficou praticamente normal. Devia ter uns seis meses na época. Hoje tem em torno de um ano e meio, provavelmente.


No dia do resgate

No dia da cirurgia

"Amamentando" o Bethoven!!! (Ela já castrada e Bethoven um gatinho filhote)
*Vou providenciar fotos atuais dela. Parece outra!!!

Calvin:
Ele não é necessariamente um "Dignidog", pois mesmo tendo sido resgatado por mim (18 de agosto de 2011), isso aconteceu juntamente com jovens da paróquia e, portanto, o Calvin é um abrigado da Rede Anglicana do Bem-Estar Animal. Está morando aqui em casa desde que foi constatado que ele tem cardiopatia e epilepsia. Não havia  mais como mantê-lo na paróquia, com tantos remédios que ele toma por dia. Acho que ele é feliz aqui :)


Quando o vi, pela primeira vez, na minha rua...

Já resgatado, morando na Paróquia

Todo enturmado com os paroquianos!

Aqui em casa (foto recente)

Com as crianças, na Paróquia, no dia da Bênção dos Animais 2013

Recebendo a Bênção


Iborá:
Resgatada das ruas de Bangu. Ganhou esse nome do entregador de rações de uma das distribuidoras que fornecem para minha loja. É o nome da rua da loja, mas até que ficou bonitinho :) Está disponível para adoção, mas tem um porém, que vou explicar no próximo parágrafo...


Nas ruas, em Bangu 
(tinha uma "casca de ferida" na cabeça)

Já castrada, gordinha, feliz, aqui em casa

Muito meiga!

Deita no chão pra fazer dengo!



Natália:
Resgatada no dia 24 de dezembro de 2013. Ganhou esse nome de mim, pois foi resgatada na véspera do Natal. Também estava caída no meio fio de uma estrada, só que mais longe: São José do Vale do Rio Preto! Foi levada em uma clínica veterinária lá por perto e o vet constatou "apenas" desnutrição profunda. Não havia fraturas. Comeu feito louca quando chegou aqui! Muito mesmo! Em dois dias já não parecia mais o esqueleto do primeiro dia. Atualmente, deve estar com uns 8 a 9 meses de idade. Se apaixonou pela Iborá! Só vivem juntas, brincam juntas, dormem juntas, comem juntas e APRONTAM juntas! 
Esse é o porém da doação da Iborá: não acho justo separá-las mais! Formaram uma família e dá pra perceber o amor que uma tem pela outra. Sei que será difícil, pois elas têm o estigma de serem vira-latas, mas nada é impossível àquele que crê! Tenho fé que vou conseguir uma lar para as duas juntas!
Como elas aprontam demais, infelizmente, tenho que mantê-las a maior parte do tempo com correntes [que são bem grandes]. Ficam na varanda da churrasqueira, mas em dias de chuva, ficam soltas e se abrigam no quarto do Fox [que não gosta muito, mas deixa, rs]. 
Hoje [01/04/2014], começamos a construção de uma casinha para elas [aliás, se alguém quiser contribuir, aceitamos!!! :)  ]
Precisamos doar essas duas cadelas para que possamos ajudar outros cãezinhos. Peço que me ajudem a divulgar, por favor.


No dia do resgate (reparem os ossos!)

Muita desnutrição

Dois dias depois...

A feição e o corpo já eram outros!

Ambientada

sábado, 29 de março de 2014

Fox, nosso "Dignidog" e seu testículo interno

Quando o Fox foi castrado (desculpem a falha de memória, mas acredito que em 2011, no mesmo ano em que foi resgatado por mim, dia 04 de março), o Dr. Fabiano só encontrou um testículo nele e o retirou. Pediu ultra para sabermos se havia um testículo interno. Muitas águas rolaram (custos de manutenção da bicharada, castrações, consultas exames etc) e o pobre Fox teve que ficar "de lado" (esperando sua vez de ser operado).

E esse dia finalmente chegou! Dia 28 de março de 2014, o Dr. Fabiano finalmente retirou o testículo que estava alojado no abdômen do Fox e tudo correu bem. Agradeço a todos que colaboram financeiramente com o Dignicats e a todos que nos ajudam divulgando os pets para adoção.

O Fox é um cão muito estressado e extremamente defensor da minha pessoa, do quintal, do Fábio... Já me causou vários transtornos por conta desse temperamento difícil, mas sei que ele tem muita gratidão por eu tê-lo tirado da rua.

Em princípio, eu iria doá-lo, mas logo percebi que seria uma tarefa difícil (por conta do temperamento dele) e que ele sofreria muito, pois se apegou muito a mim e eu a ele, claro. Provavelmente, ele foi abandonado justamente por causa do seu temperamento difícil. 

A partir de agora, com a retirada desse testículo que estava interno, espero que o Fox fique mais calmo. Vou providenciar florais para dar a ele, pra ver se ajuda um pouco (aceito indicações de florais e homeopáticos).

Um grande abraço a todos!

Josi

Indo pra clínica. Pulou da mala para o banco traseiro, rs

Sendo entregue a nós, após a cirurgia...

...Ainda muito grogue!

"Carimbando" a Tijuca antes de subir no carro, de volta pra casa, rs

Recibo + receita